O nº de formandos(as) jovens inscritos em cursos de aprendizagem atingiu os 30536 até 26 de dezembro de 2012, superando a meta do Governo para 2012, revelam dados facultados à Lusa pelo Ministério da Economia e do Emprego.

Segundo disse à Agência Lusa o secretário de Estado do Emprego, Pedro Martins, no âmbito do acordo tripartido assinado a 18 de janeiro, Governo e parceiros sociais fixaram, no Compromisso para o Crescimento, Competitividade e Emprego, “que o número de jovens a optar por esta via seria de 15000 em 2012”.

De acordo com os dados divulgados pelo Instituto do Emprego e Formação Profissional (IEFP), em 26 de dezembro havia 30.526 jovens inscritos. Este nº contempla as inscrições registadas ao longo de 2012 – 16.440 inscrições, às quais se somam 14.086 de inscrições que transitaram do ano de 2011.

“Apesar de continuarem a ser introduzidos registos, a meta de 30.000 formandos, acordada no Compromisso para o Crescimento, Competitividade e Emprego, já foi superada em 526 abrangidos, o maior número de sempre”, afirmou Pedro Martins.

Através destes cursos de aprendizagem os jovens obtêm uma dupla certificação, uma vez que 40% do tempo é passado numa empresa, explicou o governante, acrescentando que no final todos recebem um diploma do ensino secundário equivalente ao 12º ano de escolaridade podendo, caso o entendam, enveredar por um curso superior.

No entender do secretário de Estado do Emprego, uma vez que uma parte do tempo da formação é passado em ambiente empresarial, “conseguem mais facilmente inserir-se no mercado laboral”.

Os cursos de formação têm uma duração de três anos e cada jovem recebe cerca de 42 euros por mês através de fundos comunitários, disse Pedro Martins.

A região Norte do país é a que regista o maior número de jovens inscritos (6.465), seguindo-se Lisboa e Vale do Tejo (5.478). Já o Algarve apresenta o menor número, com 687 inscritos, segundo os dados do IEFP referentes a 2012.

A maioria dos cursos é promovida pelo IEFP e podem concorrer jovens até aos 24 anos com o 9º ano de escolaridade.

 

Fonte: Diário de Notícias